Share now!

Paulo Jorge Teixeira Duarte

Idade: 28 anos

“Até agora tem sido uma experiência incrível, com todos os altos e baixos normais de qualquer carreira. “A Rugby Life Magazine falou com Paulo, em exclusivo, para saber mais. 

“It has been incredible, with all the highs and lows of any career.” Rugby Life Magazine spoke exclusively with Paulo, to find out more.

 

Comecemos pela questão na mente de toda a gente… Como é que se tornou um árbitro?

Let’s start with the question in everybody’s mind… How did you become a referee?

É uma pergunta muito boa, podia dizer que sempre tive o gosto pela arbitragem noutros desportos e que seria um caminho natural seguir também a arbitragem no Rugby, mas… não seria verdade. Na realidade onde jogava(Belas Rugby Clube), a minha aptidão como jogador até então não tinha sido descoberta nem por mim nem pelos meus treinadores. Por outras palavras, era mesmo mau jogador. Na altura, no corpo técnico da equipa Sénior, tínhamos o Ferdinando de Sousa, ex-árbitro internacional, que viu algo em mim…não como jogador, claro.Então convidou-me para me iniciar nestas andanças da arbitragem com um projeto que iria começar na época de 2006/2007(Escola de Jovens árbitros) e então, até 2010, jogava e arbitrava, depois parei de jogar devido a algumas lesões. Tenho que dizer que me ajudou bastante enquanto jogador o facto de também arbitrar.

It’s a very good question, I could say that I always had this passion for refereeing in other sports and that it was just a natural path to get into refereeing in rugby but… I would be lying. To be honest, where I played (Belas Rugby Club), my skill as a player had not yet been discovered, neither by me nor by my coaches. In other words… I was a bad player. At the time, we had Ferdinando de Sousa, an ex international referee, on the team’s staff, and he saw something in me… not as a player, obviously. So he invited me to get into refereeing with a project that would begin in the 2006/2007 season (Young Referees’ School) and so, until 2010, I played and I refereed. Then I stopped playing due to some injuries. I have to say that being a referee helped me quite a bit as a player, as well.

 

Tendo arbitrado diversos jogos de alto nível, como é que tem sido a sua experiência até agora?

Having refereed multiple high level matches, how has been your experience so far?

Até agora tem sido uma experiência incrível, com todos os altos e baixos normais de qualquer carreira. Mas o facto e poder viajar para partes do mundo onde nunca pensaria em colocar os pés, conhecer tantas pessoas que ficam para a vida (a grande família do Rugby), conhecer e partilhar tantas emoções com amigos árbitros, e por fim, participar em competições onde represento o meu país e o nosso rugby, provando também que apesar de pequeninos, “somos bons” naquilo que fazemos… Não posso pedir muito mais!

It has been incredible, with all the highs and lows of any career. But the fact of being able to travel all over the world, places I would never have thought to visit otherwise, of meeting so many people with which I still maintain contact to this day (the big rugby family), of knowing and sharing so many emotions with fellow referees and, finally, of participating in competitions where I represent my country and our rugby, proving that we are, even if small, good at what we do… I can’t ask for much more.

Já conta com uma carreira invejável. Há algum jogo ou momento que destaque?

Your career is already quite impressive. Is there any moment, or match, that you can highlight?

Existem 2 momentos neste percurso que me marcaram grandemente. O primeiro foi a minha 1ª final de sempre, uma final de SUB14 no estádio do Jamor, campo A, entre o Direito e o Belenenses. O jogo, que inicialmente já não contaria para classificação,  acabou por ser a finalíssima com o desenrolar do torneio. Foi muito intenso para mim na altura, o melhor rugby que tinha experimentado até então, o estádio cheio, com as equipas que já tinham jogado, país mães a assistirem ao jogo, algumas das estrelas do Rugby atual em campo… Foi, sem dúvida, um jogo bastante emocionante para mim, mas se me perguntarem nem sei quem ganhou…ahahaha… lembro-me de acabar o jogo, dirigir-me ao Ferdinando que nos acompanha desde essa altura, e apertar-lhe a mão com as lágrimas a caírem-me como um menino…

O outro, com emoções diferentes, foi o meu primeiro jogo de XV internacional, Bósnia x Finlândia, a minha primeira viagem sozinho. Com todas as emoções à flor da pele, a responsabilidade de arbitrar este pequeno derby, ter um supervisor a avaliar-me…Bem no final de contas, na manhã do jogo, não conseguia nem comer, tremia como varas verdes, até ao apito inicial passou-me tudo pela cabeça… Acabado o jogo, todos os jogadores me deram os parabéns, e fomos para uma 3ª parte de encher os olhos…foi aqui que tudo começou!

There are two moments in my career that have left their mark on me. One was my first final, a sub-14 match in Jamor Stadium, between Direito and Belenenses, a game that initially would not count towards the final tables, but that, with the progress of the tournament, ended up becoming decisive. It was very intense for me, the best rugby I had experienced so far, full stadium, the other competing teams, as well as their families, following it closely from the stands… Some of the current rugby stars were playing, it was, without a doubt, an extremely emotional game for me. In the end, if you ask me who won, I don’t even remember, but I can recall, after the final whistle, meeting with Ferdinando, who had been with us since the beginning, shaking his hand, tears falling from my eyes like a little boy…

The second moment was my first international XV’s match, Bosnia versus Finland, my first trip alone, overflowing with emotion, the responsibility of refereeing a derby, having a supervisor evaluating me… Well, in the end, in the morning before the match, I couldn’t even eat, I was shaking, every thought racing through my mind until the start of the match… After the final whistle, all the players congratulated me, and that’s when it all started!

 

Arbitrar desportos de alta competição exige muito fisicamente. Como se prepara fisicamente para conseguir acompanhar o ritmo do jogo?

Refereeing high level sports is very physically demanding. How do you prepare to be able to keep up with the game’s pace?

Exige bastante, física e mentalmente, no entanto a parte mais fácil é o treino físico. Obrigo-me a treinar pelo menos 3 vezes por semana, seja algum ginásio ou corrida. Aproveito sempre que sou convidado para treinar com as seleções nacionais e clubes. É uma oportunidade de aprender com os melhores, de ficar próximo do jogo e do que está a ser ensinado/treinado, podendo sempre dar o meu parecer em relação a alguma técnica ou táctica. Assim eu treino e os treinadores ficam mais livres para treinar os jogadores sem se preocuparem com a arbitragem, é uma relação de ganho-ganho para todos.

It is very difficult, physically as well as mentally, although the physical training is the easier part. I force myself to train at least 3 times a week, be it either gym or running. I always take advantage of when I’m invited to train with national selections and clubs, to learn from the best and be near the game and of what is being taught/trained, and I can always give my input into a technique or tactic. It works best like this, so I train and the coaches are free to train their players without worrying about the refereeing, it’s a win-win situation for everybody.

Já tendo arbitrado em diversos países, tem um estádio favorito?

Having refereed in multiple countries, do you have a favourite stadium?

Dubai, sem dúvida, a atmosfera é brutal. 50 mil pessoas a olharem para ti, rugby sevens no seu melhor… Para já, não houve nenhum estádio que batesse o Sand pit no Dubai.

Dubai, without a doubt, the atmosphere is amazing – 50 thousand people looking at you, rugby sevens at its best, so far there hasn’t been any stadium that could compare to the Sand Pit in Dubai.

 

Este ano, a World Rugby anunciou algumas mudanças nas regras, quais pensa que terão o maior impacto no jogo?

This year, World Rugby has announced some changes in the rules, which do you think will have the greater impact on the game?

Claramente a formação ordenada e o Maul, são alterações que vão obrigar as equipas a criar novas técnicas. A formação ordenada rodada vai deixar de ser turn-over para a outra equipa e passará a ser introdução para a mesma equipa e, no Maul, a forma como a bola é transferida obrigará às equipas ligarem-se corretamente, passando a bola a ser transferida para trás. Quanto às restantes, o impacto será quase nulo, ou tratara-se-á de alterações à organização de jogo.

Clearly the ordered formation and the maul, those are the changes that will force teams to create new tactics, the rotating ordered formation will cease to be turn-over for the other team and will start being an introduction for the same team. In a maul, the way the ball is transferred will force teams to link correctly, and the ball has to start being transferred backwards. The rest of the rules will have little to no impact, or they will amount to changes in the game’s organisation only.

Finalmente, que conselhos daria a alguém que pense em tornar-se um árbitro? 

Finally, what advice would you give to someone who’s thinking about becoming a referee?

É o melhor lugar no rugby, como os ingleses dizem (best seat in the house). Depois de ser jogador, manter as chuteiras no ativo é o mais importante – ter uma constante interação com o jogo, viajar, etc. 

Aos jogadores que querem melhorar, aos jogadores que já não podem jogar por lesões, arbitrar é um caminho que devem considerar. Não vou dizer que será fácil, que será um mar de rosas, mas com trabalho e vontade, acreditem que compensa. E o que à partida parece a “profissão” do advogado do diabo, acaba por ser uma experiência muito comparável à de um jogador.

Para os mais jovens que pensem em ser treinadores, aconselho sempre a pensarem na arbitragem, onde podem chegar longe numa carreira internacional até aos 35 anos de idade e depois, aos 35/40 pensar em ser treinadores, já com maior experiência e com uma grande componente das leis.”

It’s the “best seat in the house”, as the English say. After being a player, the most important thing is to keep active, having a constant interaction with the game, travelling, etc.

To the players that want to improve their game, and to those that cannot play anymore due to injuries, refereeing is a path to be considered. I won’t say that it’s easy, but with willpower and work, it can pay off. And, although it may look like and ungrateful position, it ends up being a very similar experience to being a player. For the younger people that are thinking of becoming coaches, I advise them to think about being referees, building an international career, until they are 35 or so, and then they can start thinking about moving on to coaching, when they will have added experience and a better understanding of the rules.

Siga-nos no Facebook e Twitter para mais notícias e conteúdos extra. 

Follow us on Facebook and Twitter, for updates and extra content.

Photographs By: Luís F. Cabelo